O PRS – Cerrado começa hoje a série de matérias sobre os números do projeto em cada um dos quatro estados de atuação – Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais. Em Goiás, no Centro Oeste do País, foram 627 propriedades rurais selecionadas por meio de editais: 45 Unidades Demonstrativas (UDs) e 582 propriedades rurais selecionadas como Unidades Multiplicadoras (UMs). 

As UDs já possuem uma ou mais tecnologias sustentáveis apoiadas pelo projeto: Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) e/ou Recuperação de Pastagens Degradadas (RPD). Elas servem como propriedades-modelo em que estão previstas uma série de ações, como assistência técnica e extensão rural e a execução de um programa-piloto de certificações. Com a realização dos Dias de Campo, essas propriedades impulsionam a implementação de tecnologias sustentáveis e a disseminação de informação entre o público beneficiário do projeto. No estado goiano, as UDs somam 2.824 hectares de área com tecnologia implantada, sendo a Integração Lavoura-Pecuária (ILP) a mais frequente, seguida pela Integração Pecuária-Floresta (IPF), RPD, ILPF e, por fim, Integração Lavoura-Floresta (ILF).

Já as UMs são as propriedades que ainda irão implementar uma agropecuária de baixa emissão de carbono. No estado de Goiás, ao todo, os(as) produtores(as) pretendem implantar 649 tecnologias, número maior do que o total de propriedades já que um(a) mesmo produtor(a) pode implementar mais de uma tecnologia de baixa emissão de carbono. A maior parte pretende introduzir Recuperação de Pastagens Degradadas, seguido pela Integração Lavoura-Pecuária, Pecuária-Floresta, ILPF e Lavoura-Floresta. Em relação ao gênero dos(as) beneficiários(as), 67% são homens, 30% mulheres e 3% não declararam. 

As atividades do projeto nas UMs são nucleadas por meio das Organizações Socioprodutivas (OSPs), nome dado aos coletivos de produtores(as) rurais e que, junto ao projeto, apoiam na organização das ações desenvolvidas junto às UMs, de forma a deixar um legado para o campo. Em Goiás, são 7 OSPs atuando em 19 municípios.

O PRS – Cerrado também atua no estado goiano por meio do apoio a pesquisas científicas. As linhas temáticas dos projetos contemplados abordam agropecuária de baixa emissão de carbono, avaliação econômica, desmatamento evitado, inovações tecnológicas e de mercado, Internet das Coisas, Nexus/MRV, Sistemas de Produção – URTP e sustentabilidade na produção agropecuária. Essas pesquisas são executadas por instituições como a Embrapa, Universidade Federal de Goiás, Universidade de Brasília e Instituto Federal Goiano.

 

Dezembro começam os Dias de Campo

Entre 2 e 11 de dezembro, ocorrem os primeiros Dias de Campo (DCs) do PRS – Cerrado. Serão 12 entre os quatro estados de atuação do projeto – Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais. Esta importante etapa visa a troca de experiências entre produtores(as) rurais, técnicos(as) de assistência técnica e extensão rural, os ATECs, e organizações de produtores(as), as OSPs, para a promoção e disseminação de práticas produtivas sustentáveis. Por meio do diálogo, os DCs proporcionam uma reflexão sobre a forma de produção e os possíveis caminhos de melhorias. É o início da construção conjunta com os(as) beneficiários(as) rumo a um meio rural mais sustentável e inclusivo. Até o final das atividades do PRS – Cerrado, serão mais de 650 eventos. 

Haverá palestras com especialistas em temas apoiados no âmbito do projeto, como estratégias para implantação da agropecuária sustentável e integrada, sistemas agroflorestais, recuperação e manejo de pastagens degradadas.