Conheça o Raízes do Cerrado, o novo podcast do projeto

O PRS - Cerrado lança, neste mês, o podcast Raízes do Cerrado, trazendo as principais características e importância da savana mais biodiversa do mundo. O podcast está disponível nas principais plataformas de áudio, como Spotify, Deezer e Amazon Music.

Escute agora mesmo: 

O engenheiro florestal e coordenador de Finanças Verdes do PRS - Cerrado, Leandro Farias, é um dos convidados do Raízes. Ele fala um pouco sobre as características que tornam o bioma tão importante e as iniciativas que ajudam na recuperação das áreas degradadas e na conservação da biodiversidade do bioma.

“O cerrado tem grande conexão com os demais biomas brasileiros e recebe o título de “berço das águas”. Isso por abastecer seis das oito grandes bacias hidrográficas existentes no Brasil. Quando fazemos uma boa gestão dos recursos hídricos e da paisagem, podemos ter muitas oportunidades para recuperar áreas atualmente improdutivas, implantar e ampliar novas áreas.”

Venha conhecer o Cerrado de uma outra forma

No Raízes do Cerrado, você conhece o bioma de uma outra forma, além de se aprofundar nas ações do PRS - Cerrado para aumento da produtividade agropecuária sustentável, por meio de tecnologias de baixa emissão de carbono. Para isso, você escutará informações pertinentes de especialistas no assunto e depoimentos de produtores e produtoras que se beneficiam destas ações.

O Cerrado está presente em 11 estados brasileiros, sendo 4 deles áreas de atuação do projeto: Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais. Ao todo são 101 municípios beneficiados no bioma.


Dia do Cerrado: savana mais biodiversa do planeta e o berço das águas do Brasil

Neste último domingo (11), celebramos o dia do Cerrado. Localizado no Planalto Central do país, o bioma está presente em 11 estados, abrangendo quase um quarto da área brasileira, tendo uma extensão territorial de 2 milhões de quilômetros quadrados. E para vocês terem uma ideia, a área equivale ao tamanho dos países Portugal, Espanha, França e Itália juntos! 

O bioma também é considerado o berço das águas no Brasil, sendo estratégico para a manutenção dos recursos hídricos na América do Sul devido às cabeceiras dos rios que alimentam as principais bacias hidrográficas do subcontinente. Em relação à geração de energia, o Cerrado responde por aproximadamente 19% da produção hidrelétrica brasileira. 

O título de savana mais biodiversa do planeta também não é à toa… das dez mil espécies de plantas catalogadas no Cerrado, cerca de quatro mil são endêmicas, ou seja, existem apenas no bioma. Podemos ver a mesma biodiversidade na fauna, das quase 1.200 espécies de animais catalogadas, 117 só existem no Cerrado. 

E o PRS - Cerrado tem o compromisso de contribuir na conservação deste bioma tão importante! Buscando evitar o desmatamento ilegal, por meio do aumento da produtividade no uso da terra e diminuição da pobreza no campo, o projeto promove práticas produtivas sustentáveis e usa tecnologias de baixa emissão de carbono que contribuem para a mitigação das emissões de efeito estufa, ao mesmo tempo que aumentam a renda de produtores e produtoras rurais. 

E existe alguém melhor para falar destas tecnologias do que os próprios produtores e produtoras que se beneficiam desta agropecuária mais sustentável? José Geraldo Pereira, de Orizona (GO), é um desses produtores:

“É por meio do manejo sustentável de rotação de cultura de sistema de agropecuária em sistema de agrofloresta, que mostra muito para gente como produzir no solo, como deixar uma qualidade para o solo e deixar uma qualidade de vida. Esse é um projeto que a gente acredita que vai ajudar muito na recuperação do nosso solo e na sua qualidade. Então a gente tem que trabalhar muito visando o meio ambiente, que é ele que vai dar uma qualidade de vida e de produção para todos nós”, compartilha Seu José. 

Para celebrar esta data, teremos novidades ao longo desta semana! Continuem nos acompanhando. 


Sobrevoo do PRS - Cerrado: a vivência mato-grossense

Hoje falamos sobre o Mato Grosso. No estado, atuamos com 3 Microrregiões, 25 municípios e uma área de mais de 155 mil ha de área total de propriedades envolvidas. Nossas atividades acontecem por meio de 32 Unidades Demonstrativas (UDs), 845 Unidades Multiplicadores (UMs) e 10 Organizações Socioprodutivas (OSPs).

Ao todo, contamos com 887 produtores e produtoras rurais mato-grossenses que participam e se beneficiam de nossas atividades. Um deles é José Aparecido Daguano Ferrario, produtor da Fazenda Paulista, uma de nossas Unidades Demonstrativas (UDs) da região de Jaciara (MT). Ele destaca a importância do projeto para superar desafios no campo e dar assistência que atendam futuras exigências do mercado rural.

“O Projeto Rural Sustentável - Cerrado está sendo de extrema importância para todos nós, ele nos mostra que é possível encarar todos os desafios no meio rural, nos apresentando possíveis soluções para o cotidiano do produtor e possibilitando troca de experiências que superam as distâncias do estado. Gostaria de expressar aqui a minha gratidão por tudo e por todos.”

Esta é uma continuidade à nossa série especial de matérias sobre nossas atividades em cada um dos quatro estados de atuação: Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais. Se você ainda não leu a primeira matéria sobre o estado de Goiás, clique aqui.

Ações de Campo

Nossas atividades em campo visam articular e fortalecer as redes de parceiros, assim como estreitar as relações com produtores(as) rurais. No estado, a Assistência Técnica de Extensão Rural (ATER) para as UDs é realizada por uma das 49 instituições pré-qualificadas. Até o momento, as ATERs já realizaram 64 visitas nas Unidades Demonstrativas do projeto. Além disso,  outra ação importante são os Dias de Campo (DCs). De dezembro de 2021 a julho de 2022, o PRS - Cerrado  realizou 36 DCs no estado de Mato Grosso, com uma média de 43 participantes por evento.

A Coordenadora Estadual Renata Taques ressalta que o Mato Grosso possui desafios territoriais e regulatórios, mas que o Projeto chegou como uma iniciativa promissora para o estado. “O campo necessita do nosso olhar e os produtores e produtoras rurais carecem do conhecimento e assistência técnica qualificada que estão sendo oferecidos pelo projeto, seja com ações presenciais como a ATER e os dias de campo, bem como as atividades de ensino a distância. Tem sido gratificante fazer parte do trabalho e ver o sorriso no rosto de cada pessoa!”

Saiba mais detalhes sobre nossa atuação no campo: https://www.ruralsustentavel.org/frente-de-atuacao/campo/

Ações de Capacitação

O EaD Introdutório, parte de nossas ações de capacitação, feito em parceria com o Canal Futura, da Fundação Roberto Marinho, é aberto para todos(as) que desejam se aperfeiçoar em conceitos envolvendo mudanças climáticas e estratégias de desenvolvimento rural sustentável. Até o momento, 34 mato-grossenses estão inscritos(as) no EaD, dando mais um passo para expandirem os seus conhecimentos.

No Mestrado Profissional, em parceria com a Universidade Federal de Lavras (UFLA), pessoas com nível superior buscam a pós-graduação stricto sensu para aprimorar os seus conhecimentos em práticas produtivas sustentáveis. A engenheira agrônoma Raimunda de Mello, do município de Barra do Garças (MT), é uma dessas estudantes.

“O cenário climático atual exige profissionais bem preparados para disseminar práticas produtivas sustentáveis e uma agropecuária de baixa emissão de carbono. Esse mestrado chegou trazendo a possibilidade de aprender e renovar o conhecimento sobre o impacto das mudanças climáticas na agropecuária e ajudar na difusão do conhecimento com base científica”, destaca Raimunda.

Outra ação de sensibilização e empoderamento é a popularização da produção rural sustentável nas escolas de Ensino Fundamental e Médio. No estado, 11 escolas participam destas atividades, sendo 36% delas rurais e 55% urbanas.

Confira mais detalhes sobre nossa frente de capacitação: https://www.ruralsustentavel.org/programa-de-capacitacao/ 

Ações de Pesquisa

No estado, desenvolvemos ações com 10 projetos de pesquisa e investimento de recursos na ordem de mais de R$ 1 milhão de reais. Por um lado, temos as Pesquisas Direcionadas, que contam com a expertise da Embrapa, e possuem o objetivo de realizar diversos estudos, que envolvem potenciais de mitigação de GEE por meio da implantação dos sistemas de integração a índices de desmatamento evitado, assim como tantas outras. Por outro, por meio de editais, atuamos em conjunto com outras instituições de ensino e pesquisa, como Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS),  Instituto Federal do MS (IFMS) e Instituto Homem Pantaneiro (IHP).

Veja os detalhes: https://www.ruralsustentavel.org/frente-de-atuacao/pesquisas/ 

Ações de Finanças Verdes

No estado foram realizadas oficinas de estudos sobre incentivos fiscais, tributários e creditícios para agropecuária de baixa emissão de carbono. Além disso, contamos com a certificação da produção, que também é um dos braços de atuação do projeto na área de Finanças Verdes. Até o momento, todas as 32 UDs de Mato Grosso receberam técnicos (ATECs), que aplicaram um primeiro diagnóstico, avaliando a propriedade como um todo e sua proximidade com os esquemas de certificação considerados  promissores para a região.

O conceito da certificação aproxima nossos atores rurais a boas práticas de gestão e produção, com base em padrões mundiais de sustentabilidade. Quem realiza esse contato em campo são os Agentes de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATECs), que em Mato Grosso são mais de uma dezena. Para qualificar as ações do projeto, todos(as) os(as) ATECs participaram dos cursos de 6 esquemas de certificação: FSC (Forest Stewardship Council ou Conselho de Manejo Florestal), Rainforest Alliance (Aliança para Floresta Tropical), Certifica Minas, Carne Carbono Neutro (CCN), Orgânicos Brasil e RTRS (Round Table on Responsible Soy ou Associação Internacional de Soja Responsável).

Sobre o Projeto

Somos resultado de uma Cooperação Técnica aprovada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), com recursos do Financiamento Internacional do Clima do Governo do Reino Unido, tendo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) como beneficiário institucional, o Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Sustentabilidade (IABS) como responsável pela sua execução e administração. A Embrapa é a responsável pela coordenação científica e a Associação Rede ILPF pelo apoio técnico.


Divulgado resultado da 1ªChamada de pré-qualificação de monitores(as) e pareceristas

Está disponível o resultado da 1ª Chamada de pré-qualificação de monitores(as) de EaD e de pareceristas técnicos(as) do Projeto Rural Sustentável – Cerrado. O objetivo do processo foi mapear profissionais técnicos para a realização dos trabalhos e buscar a maior rotatividade para a prestação dos serviços. Os profissionais ficarão em nosso cadastro reserva e poderão ser contratados para exercer as funções até o fim do projeto, em 2025.

>>Confira o resultado<<

Entendendo melhor os serviços de pareceristas e de monitores

Com os pareceristas, o objetivo é formar um corpo técnico que avalie propostas e analise a qualidade de produtos e serviços, assim como contribuir na seleção de propriedades rurais. 

Já os monitores atuarão à frente do curso EaD Avançado em Mudanças Climáticas e Desenvolvimento Rural Sustentável no Cerrado, uma das frentes do Programa de Capacitação do Projeto. O objetivo do programa é capacitar, treinar e sensibilizar em torno das práticas sustentáveis e da agropecuária de baixa emissão de carbono.


Sobrevôo do PRS - Cerrado: um aprendizado goiano

O PRS - Cerrado começa hoje uma série especial de matérias sobre nossas atividades em cada um dos quatro estados de atuação: Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais. 

No estado de Goiás, atuamos com 3 microrregiões, 25 municípios e, considerando o total de propriedades envolvidas, em uma área de mais de 38 mil ha. Nossas atividades acontecem por meio de 43 Unidades Demonstrativas (UDs), 596 Unidades Multiplicadores (UMs) e 7 Organizações Socioprodutivas (OSPs).  De modo geral, as atividades produtivas no estado se caracterizam pela agricultura e a pecuária, especialmente como atividades "monoprodutivas", ou seja, há muito potencial e espaço para a implementação de sistemas integrados, como a ILPF.

Ao todo, contamos com 646 produtores e produtoras rurais goianos que participam e se beneficiam de nossas atividades diretas. Um deles é Adriano Martins Barbosa, produtor de uma Unidade Demonstrativa, na região de Santa Cruz de Goiás (GO). 

“Temos muitas possibilidades em conjunto com sistemas integrados, como a ILPF, que requer um manejo do solo, onde você vai ter uma máxima eficiência do aproveitamento que tem aqui e sequestrando mais para poder estar agregando no sistema de produção”, ressalta. 

Além da redução das emissões de gases de efeito estufa na atmosfera pela inserção do componente florestal na lavoura e na pecuária, bem como pela recuperação das pastagens degradadas, as tecnologias também reduzem a necessidade de adubação química e a utilização de defensivos agrícolas, visto que aumenta a  diversidade de espécies cultivadas na propriedade.

Ações de Campo

Nossas atividades em campo apoiam, monitoram e executam as atividades e ações do projeto nos estados e municípios de abrangência. O objetivo é articular e fortalecer as redes de parceiros, assim como estreitar as relações com produtores(as) rurais.

Uma dessas ações é a Assistência Técnica de Extensão Rural (ATER) para as UDs, feita por uma das 39 instituições pré-qualificadas em Goiás. Entre as ações está a  adequação das UDs, que visa atender o programa piloto de certificação da produção e a adoção de boas práticas de gestão, aumentando assim a sustentabilidade ambiental, social e econômica dessas propriedades. Outra ação importante são os Dias de Campo (DCs). De novembro de 2021 a  julho de 2022, o PRS - Cerrado  realizou 33 DCs no estado de Goiás, com uma média de 40 participantes por evento.

“O projeto possibilita mostrar na prática que é possível e viável economicamente promover a sinergia de componentes em sistemas integrados e de recuperação de pastagem degradadas, como forma de aumentar a produtividade e renda, e reduzir o impacto ambiental”, ressalta a Coordenadora Estadual do projeto, Josyany Duarte.

Ações de Capacitação

Capacitar, treinar e sensibilizar! Esse é o objetivo do Programa de Capacitação do PRS - Cerrado. O EaD Introdutório é uma de nossas ações, feito em parceria com o Canal Futura, da Fundação Roberto Marinho, e aberto para todos e todas que desejam se aperfeiçoar em conceitos envolvendo mudanças climáticas e estratégias de desenvolvimento rural sustentável. Até o momento, 56 goianos estão inscritos no EaD, dando mais um passo para expandirem os seus conhecimentos.

No Mestrado Profissional, em parceria com a Universidade Federal de Lavras (UFLA), pessoas com nível superior buscam a pós-graduação stricto sensu para aprimorar os seus conhecimentos em práticas produtivas sustentáveis. Dennys de Azevedo, engenheiro agrônomo de Quirinópolis (GO), é um desses estudantes. 

“A sustentabilidade é uma área que vem nos trazendo muito conhecimento quanto à questão da agricultura de baixo carbono, que hoje é um momento de extrema relevância para o planeta. Tenho certeza que, com essa turma do mestrado, vamos conseguir gerar bons frutos para o futuro”, comemora.

Temos, ainda, uma ação de sensibilização e empoderamento de popularização da produção rural sustentável nas escolas de Ensino Fundamental e Médio. No estado, 10 escolas participam destas atividades, sendo 70% escolas do campo e 30% urbanas.

Ações de Pesquisa

No estado, desenvolvemos ações com 6 projetos de pesquisa e investimento de recursos na ordem de mais de R$ 2 milhões de reais. Por um lado, temos as Pesquisas Direcionadas, que contam com a expertise da Embrapa, por meio de uma das 7 URTPs (Unidade de Referência de Tecnologia e Pesquisa). O objetivo é a realização de diversos estudos, que envolvem potenciais de mitigação de GEE por meio da implantação dos sistemas de integração a índices de desmatamento evitado, assim como tantas outras. Por outro, por meio de editais, atuamos em conjunto com outras instituições de ensino e pesquisa, como a Universidade Federal de Goiás, Universidade de Brasília e Instituto Federal Goiano.

Ações de Finanças Verdes

A identificação de recursos disponíveis via políticas públicas em diferentes níveis, além das instituições financeiras, é essencial aos beneficiários do projeto. No estado foi realizada oficina de estudos sobre incentivos fiscais, tributários e creditícios para agropecuária de baixa emissão de carbono.

A certificação da produção é também um dos braços de atuação do projeto na área de Finanças Verdes. Até o momento, todas as 43 UDs de Goiás receberam técnicos (ATECs), que aplicaram um primeiro diagnóstico, avaliando a propriedade como um todo e sua proximidade com os esquemas de certificação considerados  promissores para a região.

O conceito da certificação aproxima nossos atores rurais a boas práticas de gestão e produção, com base em padrões mundiais de sustentabilidade. Quem realiza esse contato em campo são os Agentes de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATECs), que em Goiás são mais de uma dezena. Para qualificar as ações do projeto, todos(as) os(as) ATECs participaram dos cursos de 6 esquemas de certificação: FSC (Forest Stewardship Council ou Conselho de Manejo Florestal), Rainforest Alliance (Aliança para Floresta Tropical), Certifica Minas, Carne Carbono Neutro (CCN), Orgânicos Brasil e RTRS (Round Table on Responsible Soy ou Associação Internacional de Soja Responsável).

Sobre o projeto

Somos resultado de uma Cooperação Técnica aprovada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), com recursos do Financiamento Internacional do Clima do Governo do Reino Unido, tendo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) como beneficiário institucional, o Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Sustentabilidade (IABS) como responsável pela sua execução e administração. A Embrapa é a responsável pela coordenação científica e a Associação Rede ILPF pelo apoio técnico.


Têm início os Comitês Técnicos Microrregionais do PRS - Cerrado

Durante a semana de 08 a 11 de agosto, iniciamos mais um importante nível de governança no PRS - Cerrado: os Comitês Técnicos Microrregionais (CTMs). O objetivo é instituir um grupo de debates, trocas de experiências e encaminhamento de ações a nível local, composto por secretarias municipais de agricultura, meio ambiente ou equivalentes, junto a secretarias de educação, instituições de pesquisa, científicas e acadêmicas, instituições de assistência técnica (ATERs), Organizações Socioprodutivas (OSPs), além dos outros beneficiários diretos do PRS - Cerrado.    

Ao longo da semana, foi realizada a primeira rodada de reuniões que contou,  ao todo, com mais de 130 instituições participantes, com um público total de 151 pessoas ao longo das reuniões. “Esses comitês fazem parte da estratégia de governança local do projeto e reúnem nossos beneficiários em cada uma das 13 microrregiões em um espaço integrativo, cooperativo e sinérgico que impulsiona o bom andamento do projeto”, explica a Coordenadora de Campo, Marília Ramos.

Durante os encontros, os temas versaram sobre o apoio local na execução das ações que reflitam os principais objetivos do projeto e contribuam para os resultados almejados aos(às) beneficiários(as). Ocorrendo semestralmente, cada reunião pontua as principais atividades e possíveis ferramentas que ajudem na execução em sinergia com os atores locais envolvidos com o PRS - Cerrado. 


Aprender e evoluir! Terminamos mais uma Reunião de Avaliação e Replanejamento

Durante a primeira semana de agosto, realizamos a 2ª Reunião de Avaliação e Replanejamento, na sede do IABS, em Brasília. O evento reuniu todas as frentes executivas e transversais a fim de trocar experiências, entender as dinâmicas e relembrar os propósitos do projeto. Foi destacado também que é por meio de esquemas de execução e planejamento que os processos internos são entendidos e aprimorados.

Aprender, evoluir e reestruturar para seguirmos no caminho da sustentabilidade no campo foi um dos objetivos da reunião. Coordenadora da frente de capacitação, Melissa Curi ressalta a necessidade de integração entre todas as equipes envolvidas no projeto. “A minha expectativa é que a frente de capacitação amadureça a sua integração com as outras equipes e execute suas ações com maior foco na construção coletiva.” Já para a frente de Finanças Verdes, o coordenador Leandro Farias espera que esse movimento de integração e replanejamento faça com que o PRS - Cerrado continue crescendo e ampliando benefícios no campo. “Temos ainda muitas ações importantes para serem realizadas!”. Para a frente de pesquisas, a coordenadora Marcella Vidal relembra a importância de pensarmos nos produtores e produtoras rurais durante eventos como este. “Tivemos grandes momentos de troca e saímos com o desafio de mostrar como as pesquisas estão trazendo benefícios para o nosso principal beneficiário: o produtor rural!”

Participaram do evento as frentes de trabalho de Capacitação, Campo, Finanças Verdes e Pesquisa. As equipes transversais de Comunicação, Processos, Tecnologia da Informação, Gestão e Administrativo também interagiram diretamente para planejar e elaborar novas estratégias para o projeto.

 


Damos início a nossa 2ª reunião de avaliação e replanejamento

Nesta segunda (01), o PRS - Cerrado reuniu todas as frentes executivas e transversais para realizar a 2ª Reunião de Avaliação e Replanejamento, na sede do IABS, em Brasília. Durante o evento, os participantes trocam diferentes experiências das atividades aprendidas e aplicadas nos últimos quatro meses desde a última reunião e abrem espaço para novos aprendizados. 

Este momento é importante porque faz parte de um processo de construção das etapas necessárias para concretizar as ações que o projeto entrega aos(às) beneficiários(as), garantindo que aconteçam em tempo e com qualidade. A  Assessora de gestão do Projeto, Ana Cláudia, nos fala um pouco mais da importância da reunião: “é uma oportunidade de integrar as frentes de atuação do projeto e as atividades transversais necessárias, além de realizar alinhamentos gerais junto às equipes locais e demais colaboradores", destaca.

Ao longo da semana a reunião irá trazer diferentes metodologias de avaliação e integração para fortalecer as equipes e detalhar futuras atividades de forma transdisciplinar e matricial.


28 de julho: dia de celebrar o Dia do Agricultor e da Agricultora

Dia 28 de julho é celebrado o Dia do Agricultor e Agricultora, trabalhadores que contribuem diariamente na produção dos mais variados alimentos que são levados para as casas das famílias brasileiras. Além disso, a importância do exercício da agricultura também se dá por meio da movimentação da economia nacional, da proteção do meio ambiente e da geração de empregos.

E para exercer uma profissão como a dos agricultores(as), é sempre importante garantir o compromisso com uma agropecuária mais sustentável. Esse é o objetivo da Comunidade que Sustenta a Agricultura (CSA). E, aqui no IABS, contamos também com um CSA, que ajuda na promoção de uma cultura solidária, saudável e sustentável de produção e consumo de alimentos.

Uma das principais associadas ao CSA e agricultora que nos entrega as cestas, Dona Nelcy, nos ensina sobre a importância dos alimentos da época e a convivência com a natureza. 

“Trabalhar com agricultura familiar é estar bem próximo da natureza e, com ela, sempre se aprende. O ciclo da vida exige no cotidiano observação, cuidado, interpretação e correções diárias. E é lindo ver chegar a hora da entrega dos produtos, porque são eles que vão alimentar as pessoas. Neste momento, ficamos próximos das pessoas e nos sentimos compartilhando”.

Junto à CSA, o IABS trabalha na divulgação da produção de agricultura familiar, incentivando a comercialização de diversos produtos agroecológicos e estimulando o consumo consciente.


PRS-Cerrado fecha parceria com Suzano

No dia 23 de junho, o IABS, executor do Projeto, assinou uma parceria com a Suzano, a maior produtora global de celulose de eucalipto e uma das principais frentes no desenvolvimento de tecnologias sustentáveis. A partir desse convênio, visamos aumentar ainda mais as nossas ações com os componentes florestais e em prol da sustentabilidade no campo.

O componente florestal faz parte das tecnologias de integração rural que visa um maior benefício no trabalho dos produtores(as) rurais. A árvore é componente crucial nas tecnologias produtivas sustentáveis apoiadas pelo Projeto, que por meio do manejo adequado pode trazer bons resultados e eficiência para os trabalhadores, além de ganhos ambientais, econômicos e sociais.

Pensando nesse compromisso com o meio ambiente, o IABS realiza mais um passo em direção a produção rural sustentável e, consequentemente, na mitigação das emissões de gases de efeito estufa (GEEs).

Componente florestal 

O manejo de tecnologias com componente florestal em propriedades rurais é benéfico para produtores(as), já que reúnem bons resultados e eficiência. A árvore é um dos componentes mais cruciais dentro destas tecnologias, considerando o papel e influência na qualidade de vida dos animais, por exemplo. Ou seja, os animais que pastam em áreas sombreadas pelas árvores, apresentam parâmetros respiratórios e de temperatura inferiores aos animais em pleno sol. Com isso, aumentam a produção de leite e carne, além de reduzirem o consumo de água.

Uma das tecnologias produtivas sustentáveis apoiadas pelo Projeto Rural Sustentável – Cerrado é a Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF), sinônimo de Sistemas Agroflorestais (SAFs). O sistema ILPF inclui um conjunto amplo de combinações e práticas que promovem a integração dos componentes agrícola, pecuário e florestal, o que resulta em diferentes sistemas integrados.